Saúde

Morte de morador provoca corrida a postos de saúde de Guarulhos, em SP

 SÃO PAULO - O bairro Jardim Munhoz em Guarulhos, na Grande São Paulo, tem cerca de 15 mil moradores, dez por cento certamente já vacinados contra a febre amarela entre sábado e 13h30 desta segunda-feira. A morte de um idoso de 69 anos morador do bairro, vítima da doença, causou uma corrida dos habitantes da cidade em busca da vacina. As três mortes confirmadas até agora foram de pessoas que estiveram na região de Mairiporã, cidade que também fica na Região Metropolitana e onde já existe, desde outubro, uma intensa campanha de imunização depois que mais de 30 macacos foram encontrados mortos nas matas do entorno do município.

— Na sexta-feira me ligaram dizendo que tinha o caso (do morador morto) e que precisa fazer o bloqueio imunológico do bairro — disse ao GLOBO a gerente do posto do Jardim Munhoz, Mônica Josefik.

Segundo ela, antes "não tinha vacinação porque não tinha risco" de febre amarela na região, quadro que mudou após a morte de um morador e fez a população entender a importância de se imunizar.

— Foram 1108 vacinas aplicadas no sábado e umas 400 até agora, às 13h30 (desta segunda-feira) — afirmou a servidora.

Entre triagem e vacinação, a dona de casa Ludinéia Queiróz, de 43 anos, esperou meia hora para conseguir vacinar um primo.

— Vim vacinar o filho de uma prima. A gente é aqui do bairro mesmo e hoje foi um pouco mais demorado. No sábado, quando vacinei meu filho, foram só dez minutos de espera.

A estudante Kauane Medeiros, de 18 anos, que estava na mesma unidade, admitiu ter decidido ir atrás da vacina depois que ouviu a notícia da morte de um morador do bairro.

— Eu fiquei preocupada por causa da notícia (de morte do morador). Foi bom ter vindo hoje e resolvido isso — disse em tom aliviado.

Apesar disso, das 69 Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Guarulhos, apenas 30 oferecem a vacina. A secretaria de Saúde da cidade informou que a proximidade dos bairros de áreas consideradas de risco foi o critério para definir quais postos ofereceriam as doses contra a febre amarela. No entanto, moradores que foram até a UBS da Vila Galvão, a apenas 5,8 quilômetros da Serra da Cantareira, não foram atendidos.

Rose Aparecida de Moraes, de 62 anos, queria se vacinar e também imunizar a mãe, de 84 anos, mas se decepcionou ao se deparar com um comunicado colado na porta informado que a unidade não tinha a vacina.

— A prefeitura não autorizou aqui nessa região, mas aqui nós estamos do lado da Serra da Cantareira, isso tá errado — reclamou.

O gerente contas de um laboratório farmacêutico, Marcelo Lopes, pretendia vacinar o filho, mas também precisou buscar outra UBS.

— Fotografei a relação de unidades disponíveis que estava colada na porta e agora vou atrás — lamentou.

 

Search

0
Shares

Opa! Já visitou nossa páginas?

Close

Bem-vindo(a)! Aproveite para curtir e seguir @cidadedearuja nas redes sociais.